Pular para o conteúdo principal

SescTV estreia “No se Mira Impunemente”, documentário inédito sobre o teatro ibero-americano contemporâneo



O filme vai ao ar no canal no dia 16/9, sábado, às 22h, e também será exibido no Sesc Santos, no dia 26/9, às 20h, com a presença do diretor Cristiano Burlan
Inspirado na obra No Se Mira Impunemente pela Ventana, do diretor teatral e artista plástico polonês Tadeusz Kantor, o documentário No se Mira Impunemente, dirigido pelo diretor de cinema e teatro Cristiano Burlan propõe um diálogo sobre o teatro ibero-americano contemporâneo. A produção foi gravada durante o Mirada - Festival Ibero-americano de Artes Cênicas de Santos, 2016, realizado no litoral paulista. Contendo trechos de espetáculos apresentados na quarta edição do festival, a atração conversa com artistas e profissionais ligados à área teatral sobre temas tratados nessas obras, como a violência e o rompimento das fronteiras entre o teatro, as artes plásticas, a dança, a literatura e o cinema. 
Realizado pelo SescTV, o documentário inédito estreia no canal, no dia 16/9, sábado, às 22h (assista também em sesctv.org.br/avivo), e será exibido no Sesc Santos, no dia 26/9, terça-feira, às 20h. A exibição no Sesc Santos é gratuita e conta com um bate-papo após o filme, com participação do diretor Cristiano Burlan e dos curadores da última edição do Mirada.
Violência, sexo e morte são temas abordados no documentário, através do trabalho da atriz e dramaturga espanhola Angélica Liddell e seu espetáculo Qué Hare Yo Con Esta Espada? Para a artista, a violência é um ato que ajuda as pessoas a reconhecerem suas próprias naturezas. “O que faço é transformar a violência real em violência poética”, articula. Já o sexo e a morte, segundo Liddell, foram as primeiras proibições aplicadas ao ser humano. “Implicam a lei e a violação da lei, e, para mim, é importantíssimo levar o teatro para o terreno mítico, de transgressão”, explica.
A política também é um tema que permeia algumas das montagens que fizeram parte da 4ª edição do festival, como a peça A Trajédia Lantino-Americana, do diretor e dramaturgo Felipe Hirsch, inspirada no cenário sociopolítico do continente. A atriz Júlia Lemmertz, que participa da peça, diz que viver já é um ato político. “A política está em tudo, principalmente na arte”, completa. 
O crítico de teatro Daniel Schenker questiona sobre a importância de se definir o que é teatro, cinema ou dança, já que, para ele, há um encontro das fronteiras dessas manifestações artísticas. “Essa intersecção é alguma coisa que acontece bastante nos espetáculos de hoje. Eu acho interessante essa contaminação”, revela. O trabalho de Hirsch é um exemplo dessa mistura de fronteiras da arte. “Todo meu outro background vem de tudo que eu vi em cinema. Na música também, mas muito mais no cinema”, conta o diretor.
O documentário também aborda o teatro artesanal, representado no festival pelo grupo Clows de Shakespeare. “Você usa garrafa pet cortada ao meio, com areia e um pedaço de pau com uma rosa. Eu acho que é um pouco a síntese do que é a linguagem desse espetáculo escrito há mais de 400 anos”, esclarece o ator Marco França, se referindo à montagem Sua Incelência, Ricardo III, do dramaturgo inglês William Shakespeare, dirigida por Gabriel Villela. A peça mistura elementos da cultura brasileira com da Inglaterra Elizabetana.  
A produção ainda traz depoimentos do filósofo brasileiro Vladimir Safatle, que comenta, entre outros assuntos, sobre a capacidade que a arte tem de construir e desconstruir suas formas.
Sobre o Mirada - Festival Ibero-americano de Artes Cênicas de Santos
Realizado pelo Sesc São Paulo desde 2010, o festival bienal tem como objetivo traçar um panorama das produções teatrais contemporâneas de países da América Latina, Portugal e Espanha. Ao trazer essas produções, o festival discute questões importantes sobre o fazer cênico e sobre identidades, abrindo espaços para o diálogo intercultural. Além disso, destaca a transformação da herança ibero-americana e sua hibridização no encontro com outras culturas. A cada edição, o festival homenageia um país e prioriza alguns temas. Na edição de 2016, a Espanha foi a nação que teve uma atenção especial, participando com oito espetáculos, e os temas foram a troca, o diálogo, o olhar da criação, do pensamento e do sentir. 


Serviço:

Documentário
No se Mira Impunemente
Direção: Cristiano Burlan

Estreia no SescTV
Dia: 16/9, sábado, às 22h
Reapresentações:
Classificação indicativa: 16 anos

Lançamento no Sesc Santos
Dia: 26/9, terça, às 20h

Produção: Belas Filmes Produções 
Realização: SescTV 
Duração: 56 min


Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV 
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/ao vivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv 
E no facebook: https: facebook.com/sesctv

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Neste dia das crianças, resgate as brincadeiras antigas

Fernanda Valente
A minha infância foi rodeada de alegrias e as crianças podiam brincar livremente nas ruas. Hoje, isso já não é mais possível por causa do grande número de carros que transitam e também pela insegurança que rodeia a todos que moram na cidade. Creio que em cidades pequenas muitas brincadeiras antigas ainda estão vivas. Segue algumas brincadeiras inesquecíveis que valorizam a coordenação motora, estimulação, imaginação da criança e trabalhos em grupo, principalmente de socialização: Pega-pega, queimada, esconde-esconde, agacha-agacha, elefantinho colorido, estátua, amarelinha, elástico, passa-anel... No vídeo abaixo, um pouquinho da brincadeira passa anel apresentado no Programa Quintal da Cultura. 


Outra forma divertida eram as cirandas: A canoa virou, aí, eu entrei na roda, ciranda, cirandinha, peixe-vivo, entre outras canções que ensinam e colocam a criança em movimento.
Já que não podemos ter esse coletivo na rua em que moramos, é interessante que pedagogos e professores…

TDAH: uma forma diferente de ver o mundo

Fernanda Santiago
O TDAH é um transtorno que inclui dificuldade de atenção, hiperatividade e impulsividade. Em geral, os sintomas começam na infância e podem persistir na vida adulta. Por ser um transtorno com característica genética, não tem cura. Porém, antes de rotular qualquer TDAH são pessoas que possuem inteligência e habilidades como as outras.  Achei este vídeo abaixo muito interessante. É muito difícil impor um padrão para o TDAH. Para os educares, seria muito bom prestar atenção na maneira que eles tentam se comunicar. O menininho do vídeo mostra grande interesse pela música. Será que os pais e os educadores estão preparados para perceber as habilidades e o interesse dessas crianças? Vale a pena conferir! Além disso, também há tratamentos através de medicamentos e da psicoterapia. 

Renascer é aprender

Hoje mesmo com o céu nublado, o sol não está ofuscado.
Observo no jardim do meu quintal:
_ rosas vermelhas, lírios brancos, hortênsias e a coroa Imperial. 
Fico encantado pelo milagre da vida:
- benevolência divinal. 
Os pardais anunciam o amanhecer.
Este  espetáculo matinal indica que:
- em cada alvorecer há o renascer.
Que no teatro da vida, a verdadeira arte:
é a arte de saber viver.
Viver para aprender.

31/10/2011
Luiz Augusto da Silva

Obs: Shakespeare dizia, a vida é a única peça que não permite ensaios. Então, a arte da vida é viver! (Fernanda)