Pular para o conteúdo principal

Qual é o choque?

Por Fernanda Valente

Alguém já apontou a arma para você? Se sim, logo de primeira levou um choque. As pernas começaram a tremer e a reação é de que o coração vá pular fora. Senti isso quando tinha uns 20 anos e caminhava por uma rua escura. Difícil lembrar a fisionomia da pessoa armada, mas com a arma apontada pediu meu dinheiro. Joguei tudo. Só lembro que o cara falou: _Se você não tiver nada te apago agora mesmo!
Este momento foi o suficiente para eu evitar ruas escuras até hoje. Também evito de sair sozinha. Foi um choque que trouxe uma prevenção, apesar de eu achar que em nenhum lugar estamos livres dessas fatalidades e é disso que eu quero falar. 
Em algum momento você levará um choque: um parceiro que olhará dentro dos seus olhos e dirá: Eu não te amo mais!; uma amiga que trairá sua amizade; uma pessoa que você admirava, mas que descobre de repente que é uma provocadora de contendas; alguém que tira a máscara e assume o lado ruim do que realmente é. 
A vida é cheia desses choques, mas o importante é saber o que fará com eles. Um desses choques me evitou caminhos escuros, mas algo que não se dar para evitar são os relacionamentos. Não é porque um amor não deu certo que não me darei bem com outro. Não é por causa de uma intriga que não confiarei mais em outras pessoas. E a face ruim que alguém me mostra pode sim ser algo positivo. Afinal, são esses que conseguem nos levantar, pois após um choque é necessário encarar. Pode ser como um tiro no coração, mas depois de tudo terá uma outra visão. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Neste dia das crianças, resgate as brincadeiras antigas

Fernanda Valente
A minha infância foi rodeada de alegrias e as crianças podiam brincar livremente nas ruas. Hoje, isso já não é mais possível por causa do grande número de carros que transitam e também pela insegurança que rodeia a todos que moram na cidade. Creio que em cidades pequenas muitas brincadeiras antigas ainda estão vivas. Segue algumas brincadeiras inesquecíveis que valorizam a coordenação motora, estimulação, imaginação da criança e trabalhos em grupo, principalmente de socialização: Pega-pega, queimada, esconde-esconde, agacha-agacha, elefantinho colorido, estátua, amarelinha, elástico, passa-anel... No vídeo abaixo, um pouquinho da brincadeira passa anel apresentado no Programa Quintal da Cultura. 


Outra forma divertida eram as cirandas: A canoa virou, aí, eu entrei na roda, ciranda, cirandinha, peixe-vivo, entre outras canções que ensinam e colocam a criança em movimento.
Já que não podemos ter esse coletivo na rua em que moramos, é interessante que pedagogos e professores…

TDAH: uma forma diferente de ver o mundo

Fernanda Santiago
O TDAH é um transtorno que inclui dificuldade de atenção, hiperatividade e impulsividade. Em geral, os sintomas começam na infância e podem persistir na vida adulta. Por ser um transtorno com característica genética, não tem cura. Porém, antes de rotular qualquer TDAH são pessoas que possuem inteligência e habilidades como as outras.  Achei este vídeo abaixo muito interessante. É muito difícil impor um padrão para o TDAH. Para os educares, seria muito bom prestar atenção na maneira que eles tentam se comunicar. O menininho do vídeo mostra grande interesse pela música. Será que os pais e os educadores estão preparados para perceber as habilidades e o interesse dessas crianças? Vale a pena conferir! Além disso, também há tratamentos através de medicamentos e da psicoterapia. 

Renascer é aprender

Hoje mesmo com o céu nublado, o sol não está ofuscado.
Observo no jardim do meu quintal:
_ rosas vermelhas, lírios brancos, hortênsias e a coroa Imperial. 
Fico encantado pelo milagre da vida:
- benevolência divinal. 
Os pardais anunciam o amanhecer.
Este  espetáculo matinal indica que:
- em cada alvorecer há o renascer.
Que no teatro da vida, a verdadeira arte:
é a arte de saber viver.
Viver para aprender.

31/10/2011
Luiz Augusto da Silva

Obs: Shakespeare dizia, a vida é a única peça que não permite ensaios. Então, a arte da vida é viver! (Fernanda)