Pular para o conteúdo principal

Perda de memória e surf adaptado são temas de curtas-metragens que estreiam no SescTV

O documentário “Aloha”, de Nildo Ferreira e Paula Luana Maia, e a ficção “Dona Cristina Perdeu a Memória”, de Ana Luiza Azevedo, vão ao ar no dia 3/8, quinta, a partir das 21h
Imagem: Divulgação

Com curadoria de Zita Carvalhosa, a série Diferente Como Todo Mundo, sobre deficientes físicos ou mentais, que estreou em julho no SescTV,
 exibe, na sequência, dois curtas-metragens premiados. O documentário Aloha (15’, 2010), dirigido por Nildo Ferreira e Paula Luana Maia, fala sobre surfistas com necessidades especiais, que praticam o surf adaptado; e a ficção Dona Cristina Perdeu a Memória (13’, 2002), dirigida por Ana Luiza Azevedo, sobre a amizade entre um garoto de oito anos e sua vizinha, de 80, que confunde suas lembranças. As atrações vão ao ar no dia 3/8, quinta, a partir das 21h (assista também em sesctv.org.br/avivo).

O curta Aloha mostra como a tecnologia ajudou surfistas deficientes a se superarem e se unirem, com a pratica do surf adaptado. O surfista Henrique explica que essa modalidade do surf se ajusta de acordo com a necessidade de cada pessoa. Um dos mais importantes surfistas brasileiros, Taiu Bueno comenta sobre sua experiência em voltar a surfar - com uma prancha adaptada - depois de ficar 18 anos distantes das ondas, devido a um acidente que sofreu e imobilizou parte de seu corpo. “Hoje é um sonho se tornando realidade”, expressa. 
Logo depois, em Dona Cristina Perdeu a Memória, o garoto Antônio, em frequentes encontros matinais com sua vizinha, descobre que ela conta histórias diferentes sobre sua vida, seus parentes e os santos de cada dia, demonstrando esquecimento e falha da memória.  Dona Cristina acredita que o menino pode ajudá-la a recuperar suas lembranças. 
Sobre Diferente Como Todo Mundo:
É uma série inédita na televisão, que retrata personagens com deficiências físicas e mentais, sendo protagonistas de suas próprias histórias. Os filmes apresentados participaram, em épocas distintas, do Festival Internacional de Curtas-Metragens de São Paulo – fundado por Zita Carvalhosa, em 1989, com correalização do Sesc desde 1996. O recorte é exibido com exclusividade pelo canal e conta com 20 produções brasileiras. A série surgiu a partir de programa de mesmo nome, que integrou a 27ª edição do festival, em 2016, em parceria com o Festival Internacional do Filme, em Cannes, na França.
Sobre o SescTV: 
SescTV é um canal de difusão cultural do Sesc em São Paulo, distribuído gratuitamente, que tem como missão ampliar a ação do Sesc para todo o Brasil. Sua grade de programação é permeada por espetáculos, documentários, filmes e entrevistas. As atrações apresentam shows gravados ao vivo com grandes nomes da música e da dança. Documentários sobre artes visuais, teatro e sociedade abordam nomes, fatos e ideias da cultura brasileira. Ciclos temáticos de filmes e programas de entrevistas sobre literatura, cinema e outras artes também estão presentes na programação.


Serviço:
Série: 
Diferente Como Todo Mundo
Curadoria: Zita Carvalhosa
Curta:
Aloha (15’, 2010) 
Estreia: 3/8, quinta, às 21h
Reapresentações: 5/8, sábado, às 20h; 6/8, domingo, às 6h30 e às 13h30; 7/8, segunda, às 22h; 8/8, terça, às 15h30; e 9/8, quarta, às 6h30.
Classificação indicativa: Livre
Direção: Nildo Ferreira e Paula Luana Maia
Dona Cristina Perdeu a Memória (14’, 2002) 
Estreia: 3/8, quinta, às 21h15
Reapresentações: 5/8, sábado, às 20h15; 6/8, domingo, às 6h45 e às 13h45; 7/8, segunda, às 22h15; 8/8, terça, às 15h45; e 9/8, quarta, às 6h45.
Classificação indicativa: Livre
Direção: Ana Luiza Azevedo
Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV 
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/ao vivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv 
E no facebook: https: facebook.com/sesctv

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Neste dia das crianças, resgate as brincadeiras antigas

Fernanda Valente
A minha infância foi rodeada de alegrias e as crianças podiam brincar livremente nas ruas. Hoje, isso já não é mais possível por causa do grande número de carros que transitam e também pela insegurança que rodeia a todos que moram na cidade. Creio que em cidades pequenas muitas brincadeiras antigas ainda estão vivas. Segue algumas brincadeiras inesquecíveis que valorizam a coordenação motora, estimulação, imaginação da criança e trabalhos em grupo, principalmente de socialização: Pega-pega, queimada, esconde-esconde, agacha-agacha, elefantinho colorido, estátua, amarelinha, elástico, passa-anel... No vídeo abaixo, um pouquinho da brincadeira passa anel apresentado no Programa Quintal da Cultura. 


Outra forma divertida eram as cirandas: A canoa virou, aí, eu entrei na roda, ciranda, cirandinha, peixe-vivo, entre outras canções que ensinam e colocam a criança em movimento.
Já que não podemos ter esse coletivo na rua em que moramos, é interessante que pedagogos e professores…

TDAH: uma forma diferente de ver o mundo

Fernanda Santiago
O TDAH é um transtorno que inclui dificuldade de atenção, hiperatividade e impulsividade. Em geral, os sintomas começam na infância e podem persistir na vida adulta. Por ser um transtorno com característica genética, não tem cura. Porém, antes de rotular qualquer TDAH são pessoas que possuem inteligência e habilidades como as outras.  Achei este vídeo abaixo muito interessante. É muito difícil impor um padrão para o TDAH. Para os educares, seria muito bom prestar atenção na maneira que eles tentam se comunicar. O menininho do vídeo mostra grande interesse pela música. Será que os pais e os educadores estão preparados para perceber as habilidades e o interesse dessas crianças? Vale a pena conferir! Além disso, também há tratamentos através de medicamentos e da psicoterapia. 

Renascer é aprender

Hoje mesmo com o céu nublado, o sol não está ofuscado.
Observo no jardim do meu quintal:
_ rosas vermelhas, lírios brancos, hortênsias e a coroa Imperial. 
Fico encantado pelo milagre da vida:
- benevolência divinal. 
Os pardais anunciam o amanhecer.
Este  espetáculo matinal indica que:
- em cada alvorecer há o renascer.
Que no teatro da vida, a verdadeira arte:
é a arte de saber viver.
Viver para aprender.

31/10/2011
Luiz Augusto da Silva

Obs: Shakespeare dizia, a vida é a única peça que não permite ensaios. Então, a arte da vida é viver! (Fernanda)