Pular para o conteúdo principal

Mentes Tranquilas, Almas Felizes

Neste livro, a autora ensina a dominarmos a nossa mente, ensina a jogarmos fora todos aqueles pensamentos que são destrutivos em nosso dia a dia. Arrancar os sentimentos que nos atrapalham como o orgulho, amargura, ódio, julgamento e crítica, trapaça e mentiras, raiva, rebelião, inquietação, medo e negatividade em nossos relacionamentos, seja no lar, trabalho, igreja ou outras situações são ensinamentos de mudanças que Joyce propõe para as nossas vidas.
Trocar o orgulho pela humildade é o primeiro passo para quem quer ter uma vida repleta de pensamentos tranquilos. Joyce explica que a discórdia começa através do nosso orgulho, a nossa mania de achar que estamos sempre certos. Viver o tempo todo controlando as pessoas e o mundo através da nossa força não nos faz bem, pois assim, estamos discordando sempre das pessoas. “A discórdia mata a benção e a força de Deus”, pág 39.
Outro problema que nos torna prisioneiros de nós mesmos é a insegurança. Uma pessoa insegura envenena a vida de muitas pessoas e é por isso, que devemos aprender a confiar em Deus. O estresse gerado através da nossa insegurança com o mundo nos trás pensamentos negativos: “Ainda que pensamentos, palavras, emoções e relacionamentos negativos possam causar estresse - e que o estresse possa causar doença -, pensamentos, palavras, emoções e relacionamentos positivos podem trazer saúde e cura. Pense no que dizem as Escrituras: “O coração em paz dá vida ao corpo, mas a inveja apodrece os ossos”(Provérbios 14.30). Distúrbios emocionais como a raiva, a inveja e o ciúme corroem uma boa saúde e um corpo são. Uma mente calma e pacífica leva saúde a todo ser”. pág. 61
A autora explica ainda que quando matamos a nossa vida espiritual, damos lugar a nossa carne. Nisso, geramos discórdias com nós mesmos, com Deus e com os outros. Falando de suas experiências pessoais, Joyce relata todos os tipos de sentimentos que foram tratados em sua vida, em relação à vida conjugal, relacionamento com seus filhos, com sua igreja e trabalho:
“Outro modo de desfrutar de relacionamentos harmoniosos é aprender a focalizar os pontos fortes da pessoa e não suas fraquezas. De fato, se mais casais aprendessem a fazer isso, haveria muito menos divórcios.” pág 106
“Se você ama seus filhos, liberte-os, aceitando-os como são. Se seu amor for verdadeiro, eles voltarão para você” pág 124.
Viver em paz com si mesmo e com os outros é a lição principal deste livro. Se você está vivendo a desarmonia e a discórdia em sua vida, descubra neste livro as facetas do amor que matam a discórdia: paciência, bondade, generosidade, humildade, cortesia. Altruísmo, temperamento afável, inocência, sinceridade. Descubra como funciona cada um desses temperamentos e esteja proposto a encarar as mudanças do dia a dia. A mudança que nosso chefe, amigos, líderes, cônjuge e outros propõe e que ao invés de entregarmos tais mudanças nas mãos de Deus, geramos discórdias e conflitos.
“Mudanças no lar, no trabalho ou na igreja podem produzir enorme estresse, o que nos deixa mais vulneráveis à discórdia. Precisamos estar alertas durantes tais períodos e prosseguir, confiando a Deus a situação para que seu poder e suas bênçãos possam fluir sem obstáculos para nossas vidas” pág 162

Sobre a autora: Joyce Meyer é autora Best-seller do The New York Times e já escreveu mais de 70 livros, ministrando aproximadamente 20 conferências por ano. Os Ministérios Joyce Meyer já se espalharam por todo o mundo, com escritórios nos EUA, Austrália, Canadá, Brasil, Inglaterra, Índia, Rússia, África do Sul. Já vendeu mais de 2,5 milhões de livros, além de 1 milhão de exemplares doados em todo o mundo. Seus programas de rádio e TV, Desfrutando a vida diária, são transmitidos internacionalmente. Além de doutora em divindade pela Universidade Oral Roberts, é também Phd em Teologia pela Universidade da Vida Cristã em Tampa, Florida. Em 2005, a revista Time a incluiu entre os 25 líderes cristãos mais influentes dos EUA.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Neste dia das crianças, resgate as brincadeiras antigas

Fernanda Valente
A minha infância foi rodeada de alegrias e as crianças podiam brincar livremente nas ruas. Hoje, isso já não é mais possível por causa do grande número de carros que transitam e também pela insegurança que rodeia a todos que moram na cidade. Creio que em cidades pequenas muitas brincadeiras antigas ainda estão vivas. Segue algumas brincadeiras inesquecíveis que valorizam a coordenação motora, estimulação, imaginação da criança e trabalhos em grupo, principalmente de socialização: Pega-pega, queimada, esconde-esconde, agacha-agacha, elefantinho colorido, estátua, amarelinha, elástico, passa-anel... No vídeo abaixo, um pouquinho da brincadeira passa anel apresentado no Programa Quintal da Cultura. 


Outra forma divertida eram as cirandas: A canoa virou, aí, eu entrei na roda, ciranda, cirandinha, peixe-vivo, entre outras canções que ensinam e colocam a criança em movimento.
Já que não podemos ter esse coletivo na rua em que moramos, é interessante que pedagogos e professores…

TDAH: uma forma diferente de ver o mundo

Fernanda Santiago
O TDAH é um transtorno que inclui dificuldade de atenção, hiperatividade e impulsividade. Em geral, os sintomas começam na infância e podem persistir na vida adulta. Por ser um transtorno com característica genética, não tem cura. Porém, antes de rotular qualquer TDAH são pessoas que possuem inteligência e habilidades como as outras.  Achei este vídeo abaixo muito interessante. É muito difícil impor um padrão para o TDAH. Para os educares, seria muito bom prestar atenção na maneira que eles tentam se comunicar. O menininho do vídeo mostra grande interesse pela música. Será que os pais e os educadores estão preparados para perceber as habilidades e o interesse dessas crianças? Vale a pena conferir! Além disso, também há tratamentos através de medicamentos e da psicoterapia. 

Renascer é aprender

Hoje mesmo com o céu nublado, o sol não está ofuscado.
Observo no jardim do meu quintal:
_ rosas vermelhas, lírios brancos, hortênsias e a coroa Imperial. 
Fico encantado pelo milagre da vida:
- benevolência divinal. 
Os pardais anunciam o amanhecer.
Este  espetáculo matinal indica que:
- em cada alvorecer há o renascer.
Que no teatro da vida, a verdadeira arte:
é a arte de saber viver.
Viver para aprender.

31/10/2011
Luiz Augusto da Silva

Obs: Shakespeare dizia, a vida é a única peça que não permite ensaios. Então, a arte da vida é viver! (Fernanda)